PEAC

Marisqueiras realizam primeira reunião com todas coordenadoras locais eleitas

30 de agosto de 2017

08082017-IMG_20170808_095235575

Com muita empolgação, 21 mulheres do Movimento das Marisqueiras de Sergipe (MMS) se reuniram no dia 8 de agosto, na Universidade Federal de Sergipe (UFS), para a primeira reunião de avaliação e formação política depois de ter todas as coordenadoras locais eleitas.

A atividade começou por uma mística conduzida por Nice. “A mística hoje é sobre o nosso trabalho”, disse. Dali em diante as marisqueiras passaram o dia inteiro partilhando as dores e as delícias da vida e do mangue. Na parte da manhã, elas bateram um papo sobre os desafios, as responsabilidades e as perspectivas do Movimento, tudo isso regado a palavras de ordem e com a força dos seus hinos de luta.

              “Tão cansadas?                         Não!            Da luta do povo?        Ninguém se cansa!”

“Tão cansadas?
Não!
Da luta do povo?
Ninguém se cansa!”

Também foi o momento de revisar os documentos norteadores do MMS. O primeiro é o Pacto de Lutas, construído em 2013 durante o 1º Encontro Inter-Regional das Marisqueiras realizado pelo PEAC, que pactua as bandeiras de luta e a criação do Movimento. Já a Carta Proposta, elaborada no 2º Encontro, em 2015, propõe a estruturação do MMS a partir das eleições das coordenações; da articulação com outros movimentos sociais; e da mobilização, que inclui a divulgação do Movimento e sua participação em atos políticos.

A revisão serviu de base para o momento seguinte: divisão de grupos seguida de discussão coletiva sobre a postura esperada das coordenadoras para construir a luta social e alcançar os objetivos do MMS. Foram bastante discutidos princípios como ética, conhecimento sobre a comunidade que representa, preferência pela coletividade ao invés de interesses individuais, repasse de informações às bases comunitárias, entre outros.

08082017-IMG_20170808_124232316

Já na parte da tarde, as mobilizações e eleições das coordenações locais foram retomadas em fotos e avaliadas pelo grupo em roda de conversa. “Eu gostei de fazer parte das mobilizações. Conheci marisqueiras que têm os mesmos problemas que a gente”, manifestou Neide, representante do povoado Apicum, em São Cristóvão.

Repasses

As marisqueiras também colocaram em pauta a coleta de assinaturas para a Campanha Nacional pela Regularização do Território das Comunidades Tradicionais Pesqueiras.

A partir dos repasses feitos por Arlene e Gilsa sobre as discussões que elas participaram durante o Seminário realizado pelo Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP), nos dias 10 e 11 de junho em Brasília, foi formada uma Comissão composta por quatro marisqueiras para ­­­­levar a campanha aos presidentes de Colônias de Pescadores do estado.

Veja também: